Câmara da Amadora persegue moradores pobres

Posted on 24 de Março de 2015 por

0


1601413_423413554499543_7300290003015149373_n

A Câmara Municipal da Amadora continua a sua campanha de intimidação e ataque às famílias pobres do concelho, não parando perante nada para levar a cabo a sua intenção de demolir o bairro de Sta Filomena. Retalia contra duas moradoras que estiveram presentes na Assembleia Municipal a 5 de Março, retirando-lhes a única casa que possuem!

 

Mesmo após o Provedor de Justiça se ter pronunciado contra a actuação do executivo de Carla Tavares (PS) devido à condição socioeconómica das famílias residentes no bairro, este parece ignorar a sua obrigação de ser um garante da Constituição a nível local, atropelando o direito constitucional à habitação destes munícipes.

 

O Socialismo Revolucionário denuncia e repudia por completo a actuação do executivo camarário, que age como capataz do Millenium BCP (dono dos terrenos), utilizando o dinheiro dos nossos impostos para despejar violentamente – com corpo de intervenção – os moradores e não lhes oferece qualquer alternativa viável.

 

É importante fazer chegar a nossa mensagem de repúdio através do email da Presidente da CM da Amadora, Carla Tavares, gab.presidencia@cm-amadora.pt e para a Assembleia Municipal da Amadora geral.am@cm-amadora.pt.

 

Em baixo deixamos uma cópia possível de mensagem a enviar.

 

A/C da Presidente da Câmara Municipal da Amadora e membros eleitos para a Assembleia Municipal da Amadora,

 

Tomei conhecimento dos despejos que estão a acontecer no bairro de Santa Filomena e pretendo declarar o meu profundo desacordo em relação à actuação da Câmara Municipal da Amadora nesta matéria.

 

Atropelando direitos humanos e constitucionais básicos – o direito à habitação e integridade física – a Câmara utiliza os impostos dos seus munícipes para demolir habitações situadas em terrenos privados, substituindo-se aos tribunais e à revelia da interpelação feita pela Provedoria da Justiça, apelando à suspensão das demolições.

Apelo por isso à suspensão imediata das demolições e ao fim da repressão policial sobre as populações.

Atenciosamente,