Governo Rua! Eleições Já! Por uma Frente Unida da Esquerda!

Posted on 2 de Julho de 2013 por

0


governo_rua_0

A coligação PSD/CDS colapsa à nossa frente, o papel da Esquerda neste momento…

POR UMA FRENTE UNIDA DAS ESQUERDAS PARA UMA ALTERNATIVA DOS TRABALHADORES E DA JUVENTUDE!

PCP, BE, movimento sindical e movimentos sociais devem unir-se, sob um programa mínimo de medidas socialistas para pôr fim à austeridade e dar resposta à crise do capitalismo mundial.

Vítor Gaspar e Paulo Portas, não aguentam a política de austeridade que lhe foi incumbida, pelo capitalismo nacional e internacional, através da Troika, de implementar a todo o custo. A luta dos trabalhadores e restante população, brutalmente afectada por essa política, os bloqueios constitucionais e a instabilidade interna da coligação, devida a perda da sua base social, levam à demissão de Vítor Gaspar, seguida imediatamente pela de Paulo Portas, alegando desacordo na nomeação da Maira Luísa Albuquerque para a pasta das Finanças, mas que na verdade, se deve à percepção de que o custo político do apoio a tais decisões seriam demasiado pesados quer para Portas, quer para o CDS-PP. Esta é mais uma prova da completa desorientação da classe dominante em encontrar saídas para a crise do capitalismo. No entanto, apesar da demissão do principal parceiro de governo, a queda do executivo ainda não está assegurada, e uma verdadeira alternativa à política que defende, muito menos.

Qual o papel da Esquerda neste momento decisivo?

Em primeiro lugar, pensamos que o papel que se coloca à Esquerda (PCP, BE, movimentos sindical e sociais) é garantir a queda do governo através da mobilização popular. Não podemos suportar este governo nem mais um dia! Se o governo não se demitir, ou demitido pelo Presidente da República, até ao final do dia de hoje, nova Greve Geral deve ser imediatamente convocada, com manifestações de massas por todo o país com a exigência clara que de o governo deve cair e que se devem realizar eleições antecipadas. Não aceitamos “soluções” palacianas! Entretanto devemos mobilizar-nos imediatamente para o Marquês de Pombal, hoje, 21h00, com a mesma exigência. Fora o Governo! Fora a Troika! Por um governo de quem trabalha!

Em segundo lugar, pensamos ser a responsabilidade dessa mesma Esquerda, de se apresentar como uma real alternativa à política da Troika, interna e externa, que lute pelo poder nas próximas eleições. Tendo PCP e BE acalçado, sistematicamente nas últimas sondagens, mais de 20% das intenções de voto, defendemos a necessidade urgente, da construção de uma Frente Unida das Esquerdas, do sindicatos e dos movimentos sociais, em torno de um programa socialista que dê resposta à crise actual do capitalismo, isto é: anulação de todas as medidas de austeridade tomadas por este e pelo anterior governo “socialista”; a assunção de que a dívida “pública” é impagável e portanto deve ser anulada; e de que os recursos da sociedade devem estar ao serviço da mesma e não em mãos privadas subjugados à lógica do lucro, ou seja, os sectores chave da economia (banca, energia, transportes, pescas, agricultura, etc.) devem ser nacionalizados e colocados sob a gestão democrática de trabalhadores e consumidores, de forma a garantir a sua gestão em função das reais necessidades da maioria, e não do lucro de uma minoria.

Governo, Troika, RUA!

Por uma Frente Unida para uma alternativa dos Trabalhadores e da Juventude!

2 de Julho de 2013