Chile: O outro “11 de Setembro”

Sangrento golpe de 1973
contra o governo da Unidade Popular
– Lições para hoje
Por Tony Saunois, Secretário Geral do CIT

A comunicação social capitalista e os seus comentaristas têm dado um grande ênfase à discussão das consequências e lições dos ataques de 11/09 às Torres Gémeas em Nova York, há 10 anos atrás.

Contudo esse não foi o o primeiro ‘9/11’. Após o primeiro 9/11 foram abatidas milhares de pessoas, outros milhares foram torturadas e sofreram as horríveis consequências que se seguiram. Este massacre aconteceu não nos Estados Unidos da America (EUA) mas no Chile a 11 de Setembro 1973. Foi planeado e executado não a partir dos territórios tribais do Paquistão ou do Afeganistão, mas nos quartéis-generais da CIA e da Casa Branca, em conluio com a elite dominante do Chile e das suas forças armadas. Este 11 de Setembro deve ser assinalado e as suas lições estudadas pelos socialistas revolucionários e os trabalhadores em toda parte.

Nenhum pedido de desculpas presidencial dos EUA foi jamais apresentado, inclusive por Obama, sobre o que aconteceu aos trabalhadores, estudantes e pessoas comuns do Chile. As consequências deste “outro 11 de Setembro” ainda continuam a moldar a vida das massas populares chilenas. O rescaldo dos ataques às Torres Gémeas ainda são sentidas pelos trabalhadores e os mais pobres no Iraque, Afeganistão e Paquistão e em todo o mundo. O que se seguiu ao golpe no Chile também teve consequências para a classe operária internacional e todos aqueles explorados pelo capitalismo.

Sob o tacão de ferro da ditadura militar, o Chile foi palco de um laboratório experimental económico. As políticas neoliberal de privatização, mercados abertos, desregulamentação e privatização das reformas e pensões foram todas elas testadas pela primeira vez no Chile, após o golpe. De seguida, foram aplicados nas décadas de 1980/90 e continuaram no novo século, pelas classes dominantes internacionalmente. Os ‘Chicago Boys‘, estudantes de economia de Milton Freidman, chegaram ao Chile na sequência do golpe de Pinochet. O regime militar deu-lhes mão livre para testar as suas teorias. Estas foram as políticas seguidas, mais tarde, por Thatcher, Reagan e outros líderes capitalistas.

O golpe de 11 de Setembro de 1973 deu-se na sequência da eleição 1973 de Salvador Allende à presidência do Chile em 4 de Setembro de 1970, como chefe da coligação Unidade Popular (UP). Esta era liderada pelo Partido Socialista (PS) e o Partido Comunista Chileno (PCC), juntamente com outros partidos de esquerda e alguns partidos capitalistas liberais radicais. A vitória eleitoral chocou a elite dominante. Abria um processo revolucionário que inspirou a classe operária e o o movimento dos trabalhadores a nível internacional. Os desenvolvimentos revolucionários no Chile neste período foram para além dos dos restantes países da América Latina na altura – com excepção de Cuba. Além disso, a classe operária desempenhou um papel central da luta, o que aterrorizava as classes dominantes da América Latina, EUA e Europa. Na sequência da eleição de Allende, o Embaixador dos EUA telegrafou para Washington:

“O Chile votou calmamente para ter um estado Marxista-Leninista, o primeiro país no mundo a fazer esta escolha livremente e conscientemente”.

Os partidos socialista e comunista

O Partido Socialista Chileno (PS) nessa altura era completamente diferente daquele que existe hoje. Formado no início dos anos 1930, nasceu em oposição ao Partido Comunista Chileno (Estalinista), posicionando-se à sua esquerda. O PS tinha nos seus Estatutos a defesa das ideias de Marx e Lenine e o estabelecimento de uma Federação Socialista da América Latina. Allende, embora em muitos discursos endossando o marxismo, não era o candidato da esquerda do Partido Socialista mas o candidato “compromisso” do partido para as eleições presidência. À vitória da UP seguiu-se a uma série de levantamentos e convulsões sociais sociais que abalaram o Chile durante a década de 1960. A classe média estava dividida com um sector que se foi tornando cada vez mais radical. Isso afectou o partido capitalista de centro-direita, A Democracia Cristiana (democratas cristão – DC). Uma secção acabou por se separar e formou a Esquerda Cristã (UI) e o Movimiento de Acción Popular Unitario (MAPU), que acabaram fazendo parte da esquerda da UP. Mesmo Tomic, o candidato de DC contra Allende, reflecte este processo, endossando a “relevância do Marxismo.

Unidad Popular implementa reformas

Algumas semanas depois de formar o governo, a Unidade Popular (UP) introduz reformas importantes. Foram implementadas de imediato refeições gratuitas nas escolas, um aumento de salários e a Reforma Agrária.

Sob o impacto da revolução, as poderosas minas de cobre, pertencente em grande parte por multinacionais dos EUA, acabaram por ser nacionalizadas juntamente com importantes sectores da banca e finanças. Foram anunciados planos para a nacionalização de cerca de 100 empresas. Até ao golpe de 1973, mais de 40% da economia estava nas mãos do Estado.

Desde o início, a direita chilena e os militares, juntamente com o imperialismo dos EUA, começaram a conspirar o derrube do governo da UP. Inicialmente, esperavam que uma política de desestabilização e de sabotagem económica seria suficiente para minar o governo e desencadear a sua queda. As ordens do presidente norte americano Nixon eram “façam a economia gritar.” Foi estabelecido um embargo comercial contra o Chile. Estas forças reaccionárias financiaram ataques armados pelo grupo terrorista fascista “Patria y Libertad ‘, e “lock-outs” patronais. Allende venceu a eleição com 36,3% do voto popular. Os partidos capitalistas no Congresso permitiram-lhe assumir a presidência, com um voto minoritário, porque ele, fatalmente, concordara com um pacto constitucional que o impedia de mexer ou interferir com as Forças Armadas. Isto veio-se a provar desastroso, nos acontecimentos que se seguiram.

A classe dominante esperava poder minar o apoio de Allende e conquistar os seus apoiantes e aqueles que vacilavam. No início tentaram fazer isso “constitucionalmente“. Usaram o Congresso e do Senado para bloquear e perturbar o governo. Eventualmente, esperavam poder impugnar Allende, para o qual precisavam de uma maioria de dois terços, mas que não conseguiram obter. A natureza antidemocrática do sistema parlamentar significava que a UP não tinham nem a maioria do Congresso, nem do Senado. Contudo, estas medidas não só não fizeram estancar o apoio à UP como ainda o fizeram aumentar. Cada tentativa de minar o governo radicalizou mais a classe operária, impulsionou o processo revolucionário e aumentou o apoio eleitoral ao governo.

Durante as eleições municipais de 1971, os candidatos UP receberam mais de 51% dos votos. Mesmo nas eleições para o Congresso, em Março de 1973, os partidos pró-capitalistas esperavam ganhar 66% dos votos e dois terços dos assentos, o que teria sido suficiente para impugnar Allende. Falharam e a UP ganhou mais de 44% dos votos – mais do que quando Allende foi eleito pela primeira vez!

O papel da classe operária

Ao contrário do que se passa na Venezuela de hoje, a classe trabalhadora via-se a ela própria, conscientemente; como a principal força na revolução no Chile. Embora Allede tivesse uma enorme popularidade, o culto à personalidade e métodos administrativos de cima para baixo, hoje presente na Venezuela, não foram predominantes na Unidade Popular (UP). No Chile, a classe trabalhadora construiu uma série de poderosas organizações politicas e sociais e com uma longa tradição. Existia um intenso debate entre diferentes organizações e partidos, e também dentro deles, sobre o programa e a estratégia a seguir. Os dirigentes eram desafiados e, algumas vezes, viram a oposição dos trabalhadores. Onde se provava que as velhas organizações eram inadequadas, os trabalhadores construíram novas, mais sensíveis às suas reivindicações e necessidades nos locais de trabalho e nas comunidades locais para liderar e defender a revolução.

O carácter do processo revolucionário sob a UP teve um efeito enorme internacionalmente. Era muito maior do que do que a simpatia de camadas de jovens por Chávez, na Venezuela. A eleição de um Presidente e de um governo “marxistas” no Chile, e o papel de liderança no processo da classe trabalhadora, entusiasmou a classe operária mundial. Isso também abrir uma discussão sobre como alcançar o Socialismo e o papel do Estado. Na Grã-Bretanha, reuniões sindicais e do Partido Trabalhista debatiam a experiência chilena e suas lições para o movimento operário internacional. Apoiantes do Militant (o precursor do Socialist Party em Inglaterra e Gales) apresentaram resoluções no Congresso do Partido Trabalhista, com base nas lições do Chile e, entre outras coisas, exigindo Direitos Sindicais para as Forças Armadas chilenas.

Todas as tentativas contra-revolucionárias provocavam ainda uma maior radicalização e mobilização de massas da classe operária e dos seus aliados. A ‘greve’ dos patrões de 1972 levou ao rápido crescimento das organizações industriais nos distritos e da formação de “cordones industriales” (cinturas industriais). Eram constituídos por comissões eleitas nos locais de trabalho, que começaram a articular-se num bairro e mesmo à escala das cidades. Os delegados eram eleitos e sujeitos à revogação, isto é, podiam ser destituídos pelos seus representados. Na cidade industrial de Concepción, no sul do Chile, formaram uma Assembleia Operária Popular da cidade. O controlo operário foi estabelecido em muitos locais de trabalho por todo o país.

A escassez de alimentos causada pela especulação e pela sabotagem do embargo resultou na formação dos chefes dos JAP – “Comités Populares de oferta” – que organizavam a distribuição de alimentos e tentava impedir a especulação. Os “cordones” cada vez mais assumiam um papel político no avanço e defesa da revolução. Isto devia-se em parte à frustração dos trabalhadores face ao sistema eleitoral parlamentar anti-democrático, que significava que à UP faltava uma maioria no Congresso e Senado, apesar de formar o governo. Um dos “cordones” mais radicais era no bairro operários do Cerillos. Aí foi aprovado um programa político que, entre outras coisas, declarava:

  • apoio ao governo do presidente Allende, na sua interpretação das lutas e reivindicações dos trabalhadores;
  • a expropriação de todas as empresas de monopólio com mais de 14 milhões de escudos em capital ou de importância estratégica para a economia;
  • o controle de todas as indústrias, agricultura e minas, através de Conselhos de Delegados, com os delgados a terem de prestara contas e a poderem ser revogados pelas bases;
  • um salário mínimo e um salário máximo;
  • camponeses e trabalhadores assalariados a controlarem a agricultura e o crédito;
  • e o estabelecimento de uma Assembleia Popular para substituir o parlamento burguês.

A classe operária estava muito mais à esquerda que o Governo e os seus líderes, sendo que estes foram arrastados a tomar medidas mais radicais pelos trabalhadores e juventude radicalizada. Em resposta aos ataques armados pelos fascistas do Patria y Libertad, e como a policia e as forças armadas não faziam nada, foram formados os esquadrões de defesa operária. Estes acontecimentos aterrorizaram a classe dominante e o imperialismo.

A revolução espalhou-se para o campo, onde os trabalhadores agrícolas e camponeses ocuparam terras e realizaram um programa de Reforma Agrária. Mais de 10 milhões de hectares de terra foram redistribuídas.

Planos para um golpe militar

A classe dominante, em conjunto com o imperialismo dos EUA, começou a desenvolver rapidamente planos para um golpe militar, uma vez que a perspectiva de derrubar o governo de Allende através do parlamento diminuiu e o processo revolucionário continuava a avançar. No entanto, em todas as areas, os líderes do Partido Comunista e secções do Partido Socialista actuavam para travar e tentar segurar o processo revolucionário, argumentando que a burguesia “democrata” não devia ser alienada e defendendo a “constitucionalidade” das Forças Armadas. A esquerda do Partido Socialista, incluindo figuras como Carlos Altamirano, secretário-geral do partido, defendiam a criação de “Poder Popular” e do fortalecimento da revolução.

Contudo, apesar de utilizar muita retórica de esquerda e marxista revolucionária, a esquerda do Partido Socialista não foi capaz de propor demandas específicas ou iniciativas para fazer avançar a revolução a derrubar o capitalismo, quando estavam a ser executados planos para um golpe militar reaccionário.

Estes desenvolvimentos levaram a uma polarização dentro da Unidade Popular (UP) e a divisões dentro dos partidos que a compunham, entre a esquerda e a direita.

No entanto, as forças da reacção delineavam planos muito detalhados e precisos. Henry Kissinger, Secretário de Estado norte-americano da administração Nixon, telegrafou ao chefe da CIA em Santiago: “É politica firme e continua que Allende seja derrubado através de um golpe.”

Os preparativos estavam definidos. A reacção definiu o seu tempo, esperando o momento adequado para atacar. Era sabido por todo o Chile que um golpe não estava apenas a ser discutido, mas planeado. Na época, dizia-se como piada que Allende passava 23 horas das 24 horas a preocupar-se com o exército. Em Junho, sectores do exército, dos Regimentos de Tanques, agiram prematuramente, organizando uma rebelião contra o governo – o chamado ‘Tancazo‘. Era demasiado cedo e foi detida pelos militares, sob as ordens de Allende. O General Pratts, um apoiante de Allende, que reprimiu a tentativa de levantamento, foi assassinado após o sucesso do golpe em Setembro de 1973.

O ‘Tancazo‘, em Junho, foi como como um chicote da contra-revolução e provocou que a classe operária levasse a cabo outras medidas revolucionárias. Teve o mesmo efeito que o putsch falhado de Spínola, alguns anos mais tarde, em Março de 1975, durante a revolução Portuguesa.

No Chile, o golpe falhado de Junho foi seguido pelo anúncio de um plano de nacionalizações maciças e por uma demanda crescente pela classe operária por armas para combater a ameaça de reacção.

Contudo, apesar do “Tancazo” nem a Allende, nem nenhum outro dirigente tomou outras providências contra os militares ou para mobilizar e armar os trabalhadores. Não tinham sido dados direitos sindicais aos soldados, não houve nenhuma tentativa de tentar organizar ou construir apoio entre as fileiras das Forças Armadas, muitos dos quais apoiavam o processo revolucionário. Existiam ccondições para dividir as Forças Armadas mas era necessária acção decidida e decisiva.

No entanto, os dirigentes da UP ficaram presos pela ideia, especialmente defendida pelo Partido Comunista, que existia uma “ala progressista” num sector da classe dominante. Allende proclamou a sua determinação de evitar uma guerra civil. Eles tinham uma política de respeito “pela constitucionalidade das Forças Armadas” e um programa gradual, medido, passo a passo de Reformas que, eventualmente, iria estabelecer o Socialismo. Na prática, esta “teoria das etapas” permitiu que a classe dominante tivesse tempo para preparar as suas forças para quando chegaasse o momento mais oportuno. E resultou não no evitar da guerra civil mas no afogamento do movimento revolucionário em sangue.

Pacto constitucional

Desde o início, Allende lançou as bases para a sua própria derrota quando a acordou não tocar no exército no fatal “Pacto Constitucional”. A máquina de estado foi deixada nas mãos dos generais e da reacção, sem qualquer contestação. Allende adoptou uma política de apaziguamento – nomeando mesmo 3 generais para o Governo, entre os quais Augusto Pinochet – uma tentativa condenada de tranquilizar os militares e classe dominante. Allende tinha o apoio de quatro dos 22 generais mas a sua própria política tornava-o impotente, com os seus apoiantes sistematicamente retirados e ,finalmente, executados.

Os republicanos de Espanha, em 1930, jogando a “dança das cadeiras”, pelo menos fizeram Franco circular por todo o país para tentar impedir a organização da revolta militar fascista. Mas Allende fez ministro do gabinete e mesmo Chefe do Estado-Maior o general Pinochet na sequência da resignação forçada do General Pratts, instigada por conspiradores pró-golpistas.

Além disso, quando sectores de soldados tentaram vir em auxílio da revolução e opor-se ao golpe, a política de “constitucionalidade” fez com que Allende escandalosamente apoiasse a hierarquia reaccionária pró-golpe.

Em Agosto, no porto naval de Valpariso, 100 marinheiros foram presos por “abandono do dever militar”. Na verdade tinham descoberto planos para o golpe e declararam que se oporiam a isso. No que é referido com a sua hora mais negra, Allende apoiou a hierarquia da marinha quando esta prendeu e torturou este grupo de marinheiros!

Mais de um milhão de pessoas manifestaram-se frente às varandas do Palácio Presidencial, onde estava Allende, dois dias antes do golpe de Pinochet. Estes trabalhadores, jovens e estudantes, sabendo do golpe iminente, exigiam armas para defender a Revolução. Eles exigiram também o encerramento do Parlamento burguês.

Os líderes da esquerda do Partido Socialista e outros prometiam que as armas estavam seguras e seriam distribuídas, se necessário. Na realidade, nada foi feito para armar a classe trabalhadora contra a sangrenta contra-revolução.

O golpe

Dois dias depois os conspiradores atacaram, com as marinhas chilena e dos EUA a desenvolver exercícios conjuntos na costa chilena. No dia do golpe a Confederação Sindical, CUT, convocou os trabalhadores para os seu postos de trabalho e aguardarem instruções. Esta política errada foi justificada por citar erroneamente a referência de Lenine que as fábricas eram “as fortalezas da revolução”. Foi marcado o contraste com os heróicos trabalhadores em Barcelona, ​​Espanha em 1936, que ao ouvirem da revolta fascista imediatamente passaram à ofensiva e invadiram os quartéis militares, derrotando os fascistas.

No Chile, em Setembro de 1973, um protesto armado das massas e um apelo para que os soldados se juntassem à Revolução era a única perspectiva nesta fase para salvar a revolução e derrotar o golpe de Estado.

Em vez disso, ao mesmo tempo que golpe se desenrolava, os trabalhadores estavam nas suas fábricas, deixados isolados, à espera de ser abatidos por destacamentos armados do exército.

Uma vez no poder os militares desencadearam uma sangrenta era de repressão e massacre.

Mais indiscriminados nas suas execuções que o golpe na Argentina e outros países da América Latina, foi uma implacável operação clínica cujo alvos foram os trabalhadores mais politicamente conscientes e activos e jovens. Embora tenham havido mais foram mortos na “guerra suja” da Argentina, a consciente escolha de activistas políticos e lideres sindicais e laborais decapitou o movimento dos trabalhadores. Entre os que foram abatidos nos primeiros dias durante do golpe, encontrava-se o cantor popular chileno Victor Jara, quem foi arrebanhado com milhares e levado para o Estádio Nacional de Santiago.

Os Chicago Boys na cidade

O golpe foi acompanhada pela chegada dos “Chicago boys” – uma equipe de economistas de direita – e o desencadeamento de políticas neoliberais que tiveram um efeito devastador da classe trabalhadora chilena. O regime militar durou até 1990.

Infelizmente, os líderes do Partido Socialista e do Partido Comunista não aprenderam com as lições desta derrota sangrenta. Com o colapso dos regimes estalinistas e ex-economias planificadas, abandonaram qualquer defesa de ideias socialistas, e formam ainda alianças com com o que eles consideram como sectores “progressistas” da classe dominante chilena. Durante vinte anos, desde o fim do regime militar e “transição”, o Partido Socialista formou uma aliança foi com a Democracia Cristina e a Concertación. No governo, o Partido Socialista continuou com as políticas de privatização e neoliberalismo. O Partido Comunista tem tentado agir como um conselheiro de “esquerda” da coligação Concertación, agarrado as suas abas, desesperado para tentar garantir uns poucos assentos parlamentares, como uma recompensa. Na última eleição, o Partido Comunista conseguiu finalmente ser-lhe concedido o três lugares!

Modelo chileno

A economia chilena foi apresentada como um modelo para a América Latina e em todo o mundo. O crescimento económico, que tem uma média de crescimento de mais de 5,5% ao ano, tem sido usado para justificar as extremas políticas neoliberais iniciadas sob o regime militar e que continuaram desde então. isso foi conseguido com base num preço elevado e crescente de cobre, que responde por 15% do PIB, e exportação da produção de vinho, madeira e produtos agrícolas. Contudo, apesar do crescimento, o Chile também se tornou uma das sociedades mais desiguais da América Latina – uma das três mais desiguais todo o continente. Isto resulta num situação social cada vez mais explosiva, reflectida na tremenda luta de centenas de milhares de jovens nos últimos meses. Ao mesmo tempo, a vitória de sucessivos governos da Concertação ao longo de vinte anos, que têm apenas defendido os interesses dos ricos, resulta num crescendo de alienação politica de todas as Instituições Políticas legadas pela ditadura. Todos os principais partidos políticos têm defendido as mesmas políticas ou similares. O sistema eleitoral, posto em marcha por Pinochet, é projectado para manter os dois principais blocos políticos, num sistema parlamentar de quase impasse. O chamado sistema de “binómio” – projectado pelo Jarulselski na Polónia, torna impossível qualquer partido ser eleito, se está fora dos dois blocos principais – o “centro-esquerda” da Concertação ou a extrema-direita.

A alienação dos partidos políticos que defendem o sistema económico e político reflecte-se no baixo nível de registo de eleitores por parte dos jovens. Cerca de 75% dos eleitores jovens nem mesmo se recenceiam. A ausência de qualquer alternativa, e insatisfação com a Cocertacion, resultando na vitória da coligação de direita liderada por Sabastian Piñera. Como a maioria da casta dos líderes políticos no Chile, vem de um família dinástica. O seu irmão mais velho era um ministro de Pinochet e o seu pai foi o embaixador chileno para o empreendedorismo das Nações Unidas entre 1964 e 1970.

A vitória eleitoral de Piñera foi como um chicote da contra-revolução e desencadeou toda a frustração e alienação de que se foi acumulando nos últimos 20 anos. Uma nova geração está em luta, marcando o fim da chamada “estabilidade” proclamada da classe dominante chilena desde o final da Ditadura Militar.

Jovens em Revolta

Durante meses, os estudantes universitários e de escolas secundárias têm feito ocupações, manifestações massivas, realizado centenas de milhares de “kiss-ins” e outras formas de protesto para exigir um sistema de educação livre e decente. Têm enfrentado a brutal repressão do Estado, nunca antes vista desde os dias da Ditadura, no que resultou no assassinato de um jovem de 16 anos. Este movimento juvenil conta com apoio maciço entre a população – de acordo com uma pesquisa de opinião, 85% apoiam a estudantes.

Durante o movimento os mineiros do cobre apelaram a uma greve de um dia com o apoio dos estudantes. Significativamente, esta greve foi convocada a 20 de Junho – no mesmo dia que Allende nacionalizou a industria do cobre. Estivadores e outros sectores dos trabalhadores declararam apoio. Os alunos também assumem as demandas dos trabalhadores de cobre e chamam à nacionalização desse sector da economia. Houve semelhanças com a França em 1968, quando os trabalhadores se juntaram à a revolta dos estudantes. Contudo, há também importantes obstáculos e dificuldades a superar no Chile, alguns resultantes do legado da Ditadura, outros reflectindo dificuldades enfrentadas pela classe trabalhadora de hoje e os efeitos de uma liderança sindical falida, bem como a aplicação de políticas neoliberal.

Os estudantes viraram-se para os trabalhadores e organizaram protestos e comícios em apoio do mineiros do Cobre. Contudo, a liderança sindical dissuadiu os trabalhadores de participarem nesses comícios. Reflectindo essa enorme pressão, a confederação Central Única dos Trabajadores (CUT) foi obrigada a convocar uma Greve Geral de dia dois, para 24 e 25 de Agosto. Contudo, esta oportunidade foi esbanjada pela liderança da CUT. Durante vinte anos, a liderança CUT agiu como um apêndice da Concentracion. Os jovens sentem a CUT como mais uma instituição do sistema. Convocar por cima uma greve não é simplesmente suficiente. Sem nenhuma campanha nos locais de trabalho ou das comunidades locais na preparação os trabalhadores e reforçar a sua confiança, sem um plano claro e defensável para com os trabalhadores que são despedidos e perseguidos, muitos trabalhadores sentiram-se demasiado intimidados para entrar em acção.

As consequências das políticas neoliberais significam que a preparação de uma greve é ainda mais importante. No sector privado, muitos trabalhadores não têm sequer um contrato e trabalham ao dia, ou mesmo à hora, temendo, por isso, perder os seus empregos. Mesmo no sector público, cerca de 50% dos trabalhadores não têm contrato. Isso torna o trabalho de construção de sindicatos eficazes ainda mais difícil. Os professores, por exemplo, são apelidados de “Professores – taxistas“. Eles ensinam durante algumas horas numa escola e depois correm para outra por algumas horas e não têm nenhuma espécie de contrato. Como resultado dessas fraquezas, e com uma direcção sindical que não está preparada e disposta a lutar, tudo isto conduziu a que a Greve tivesse tido um impacto limitado, apesar de ter tido a simpatia maciça da massa da população.

A construção de comités de luta nos locais de trabalho e assembleias locais nas comunidades é tarefa crucial e é uma parte da reconstrução do Movimento dos Trabalhadores, que agora é urgente colocada no Chile, como em outros países.

O papel dos partidos políticos, incluindo o Partido Comunista, foi outra característica deste movimento. A alienação dos jovens em relação ao sistema a suas instituições esteve patente na reacção muito pronunciada contra a ideais de partidos políticos. O Partido Comunista, que tem agido como um apêndice da Concentracion, e que até tem a sua própria universidade privada, é visto sob uma luz semelhante! O papel do Partido Comunista Chileno reforçou o clima anti-partido, que esteve também presente nos recentes movimentos de juventude que entrou em erupção em Espanha e na Grécia.

Isto não significa que o movimento seja “apolítico“. Os jovens no Chile exigem a nacionalização da indústria do cobre, uma educação livre e decente, por oposição à noção de educação como uma “prestação de serviço”. No entanto, eles reagiram contra a ideia de um partido político porque nunca tiveram experiência de um partido que seja diferente e que eles vejam como o que representa os seus próprios interesses.

Sendo esta uma complicação que afectou e afecta o movimento, representa a primeira reacção de uma nova geração que entrou em luta pela primeira vez. É uma reacção temporária aos partidos políticos e ao sistema já existem.
Uma força organizada, um novo partido político, pode canalizar a determinação da nova geração para lutar por uma mudança e que retire as lições aprendidas das lutas anteriores é o que se coloca objectivamente na luta e na crise que está a desenvolver. Através da experiência de futuras lutas e batalhas, significantes camadas dos que estão a entrar em luta agora pela primeira vez começarão a tirar a conclusão de que eles precisam para construir uma nova força e partido que represente os seus interesses.

Os Marxistas precisam de ajudar neste processo, aproveitando a experiência de lutas anteriores e explicando como um verdadeiro partido dos Trabalhadores e juventude deverá organizar a luta e como esse partido será diferente dos actuais partidos que defendem o sistema.
Aproximam-se novas batalhas de classe no Chile.

Lembrar o primeiro 11 de Setembro e tirar as lições dessa derrota sangrenta, pode ajudar a nova geração a preparar-se para a luta de classes que será travada e também preparar o caminho para o derrube o sistema capitalista e inaugurar uma alternativa democrática genuinamente Socialista.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s